Sucesso editorial no mundo inteiro, "O Caçador de Pipas" chega aos cinemas nesse fim-de-semana

O Caçador de Pipas
(The Kite Runner)
(Drama, EUA, 2007. Direção de Marc Foster. Com Khalid Abdalla e Homayoun Ershadi. Duração 02h02min.)

Baseado no best-seller de mesmo nome do escritor afegão Khaled Hosseini, a adaptação para o cinema de O Caçador de Pipas tenta manter os ingredientes que agradaram a milhões de leitores em todo o mundo, como o exotismo do Afeganistão, a luta contra a adversidade e a culpa e também a redenção, mas tudo isso é feito de maneira fugaz e com um olhar excessivamente “ocidental”.

Dirigido por Marc Forster (A Última Ceia, Em Busca da Terra do Nunca) a partir de um roteiro de David Benioff (Tróia), a mensagem básica que o filme procura transmitir é a de que não importa o que uma pessoa tenha feito no passado, sempre há uma segunda chance. Quem, no caso, tem a possibilidade de reparar seus erros é o protagonista Amir (Khalid Abdalla, de Vôo United 93), um afegão que fugiu do país ao lado do pai no final da década de 70, quando o Afeganistão foi invadido pela então União Soviética.

Ele muda para os EUA e vive por lá nos últimos 20 anos, mas um telefonema de um amigo, que fugiu para o Paquistão, o faz lembrar de sua infância em Cabul. O roteiro então recorre a flashbacks para mostrar a infância de Amir ao lado de Hassan, filho do empregado da casa. Os dois são amigos, embora pertençam a grupos étnicos diferentes e assim desafiem o forte preconceito que impera na sociedade local. O nome do livro e do filme vem de um dos passatempos preferidos dos garotos – empinar pipas.

O grande trauma da infância de Amir, e que o persegue pela vida toda, foi não ter ajudado Hassan em um momento de grande dificuldade. Isso causou a separação dos amigos, que nunca mais se viram. Agora, anos depois, surge a chance de reparar o erro.

O roteiro do filme procura passar ao largo das ideologias políticas. As informações que o livro traz sobre a cultura e a política afegã praticamente não existem no longa, que tenta se sustentar nos ombros frágeis de duas crianças que não são atores profissionais, o que só não compromete totalmente o resultado final porque a ótima e impactante trilha musical do espanhol Alberto Iglesias (O Jardineiro Fiel) impressiona.

Veja aqui o trailer do filme em Quick Time.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: